Varanda Tidelli no Armazém da Decoração

Varanda Tidelli

O Armazém da Decoração prepara a loja para o verão. A Tidelli se firmou no mercado, com quase três décadas de história, como a marca dos móveis externos. Suas cordas náuticas e seu colorido convidam para o sol, a piscina e a vida fora das quatro paredes. A Varanda Tidelli é um espaço criado dentro da loja para receber estas peças. Amanhã (28), entre 9h e 13h, as portas da loja estarão abertas para apresentar a Varanda Tropical Tidelli.

Design é Meu Mundo / Coleção Para Ser Feliz

Nova coleção de móveis de Leo Romano

Imagem: Marcos Camargo

Para ser Feliz é o resultado da constante criação do designer brasileiro – e goiano – Leo Romano. Leo trabalha com a experimentação. Usa seu olhar minucioso e atento para captar, nos detalhes, a fonte de inspiração que precisa para desenhar seus projetos. O lúdico foi o ponto de partida para sua mais nova criação, lançada nacionalmente na última quinta-feira.

“Para Ser Feliz” reúne 14 peças divididas em mesa, aparador, espelho de chão e de parede, banco, banqueta, poltrona, chaise e objeto de decoração. Toda a coleção foi feita com madeira e um toque de resina transparente. “Eu intitulei a coleção de Para Ser Feliz porque além do universo infantil, ela me lembra as melhores coisas da vida”, contou Leo na noite do lançamento das peças. “Um abraço, um colo de pai ou de mãe, um sorvete… Tudo isto nos traz muita alegria”, concluiu.

A forma arredondada que serviu de base para a elaboração de todos os móveis da nova coleção comunica sobre os prazeres simples do cotidiano. “Arredondar é lembrar-nos daquilo que nos faz feliz”, diz Leo.

Imagem: Marcos Camargo

Tarsila do Amaral nas passarelas

Tarsila do Amaral sobe nas passarelas em coleção de roupas feitas a partir de suas principais obras artísticas


Os amantes da moda defendem que ela é a união do melhor que o design pode reunir. É cultura, arte, arquitetura, música. Tudo pode virar moda ou mesmo ser visto dentro dela. Por isto que volta e meia vemos fashionistas fazerem uma simbiose de todas estas vertentes artísticas com a moda.

A mais recente responsável por esta associação foi a marca brasileira Osklen. Oskar Metsavaht, diretor criativo da marca, colocou na passarela do último São Paulo Fashion Week, em agosto, a modernista Tarsila do Amaral.

Pintora, desenhista e tradutora, Tarsila foi uma das figuras centrais do movimento modernista brasileiro que culminou na Semana de Arte Moderna de 1922 e morreu no ano de 1973. Ou seja, Tarsila não subiu literalmente na passarela, mas foi homenageada pelas roupas da grife. O tributo não foi sem razão, a moda era uma das paixões da pintora.

As obras de Tarsila do Amaral fazem parte de uma exposição em transito pelos Estados Unidos. Após uma temporada no Instituto de Arte de Chicago, fica no MoMA, de Nova York, até o mês de janeiro. A exposição é que serviu de inspiração para que Oskar Metsavaht tivesse a ideia de colocar as obras da artista em uma coleção-cápsula da grife.

Segundo Oskar Metsavaht, a marca possui uma forte relação com a brasilidade e por isto estampou em sua nova coleção uma das maiores representes do modernismo brasileiro com suas principais obras, como os quadros icônicos Abaporu (1928), Antropofagia (1929) e Palmeiras (1925).

Imagem: Divulgação

Goiânia como a gente não vê

Goiânia completa 84 anos e se tornou uma cidade dentro de várias cidades

Goiânia é uma cidade nova. É importante lembrar-nos disto mesmo na data em que nossa capital apaga mais uma velinha e comemora mais uma primavera: 84 anos. Pode parecer muito quando pensamos em anos de vida humana, mas em anos de cidade, somos um bebe.

As cidades mais velhas do Brasil, em comparação, já passaram dos 400 anos de vida. Na Europa, então, as cidades carregam centenas e centenas de anos em história. Por aqui, nossa história começou a ser traçada em 1933, quando a pedra fundamental foi lançada em um terreno que não tinha nenhum traço de urbanidade. Goiânia mesmo, com ruas (ainda que poucas e pequenas), ganhou forma em 5 de julho de 1942, data de sua inauguração.

Goiânia nasceu junto ao apogeu da Art Deco, por isso o centro histórico da cidade carrega algumas relíquias (muitas abandonadas, para a nossa tristeza) deste movimento artístico. Art Deco, sertanejo, praças e calor são algumas das características pelas quais a capital goiana é lembrada. Mas não é com elas que se faz uma cidade. Goiânia como a gente não vê é aquela que guarda em um bar no fundo de um quintal um samba com feijoada, no interior de uma loja o lançamento de peças de design com bailarinos em apresentação, em um beco na rua quadros de arte dignas de qualquer galeria.

Esta Goiânia merece ganhar os parabéns na data de hoje. É a Goiânia que descobrimos todos os dias ao andar pelas ruas da cidade. A Goiânia cheia de conceito, cheia de design, de designers e de artistas que carregam o nome da cidade Brasil e mundo afora. Parabéns Goiânia. Uma homenagem do Armazém da Decoração.

Noite de lançamento no AZ Decor

Leo Romano lança a linha de móveis Para Ser Feliz no Armazém da Decoração

Parafraseando Leo, “uma folha branca se revela em alguma forma”. As criações, na dança e no design, se encontraram relevadas em várias formas na Sala Conceito do Armazém da Decoração na noite desta quinta-feira (19).

É que durante o lançamento da coleção Para Ser Feliz, o branco se revelou na coleção de móveis saída da imaginação criativa de Leo, amadurecida em seus cadernos e transformada em 14 peças que misturam funcionalidade, design e poesia. Outra forma que saiu do branco nesta noite foi a dos bailarinos Cleison e Paula que, trajados de branco, nos revelaram o poder da arte e a emoção da dança.

Armazém da Decoração lança nova coleção de Leo Romano

Para ser feliz é o nome da nova coleção de móveis do arquiteto e designer Leo Romano que será lançada amanha no Armazém da Decoração

Leo Romano imprime poesia em seu trabalho e sua poesia é mais uma vez transposta para a madeira na coleção “Para Ser Feliz”. Os momentos mais singelos do cotidiano, como sorrir e acordar, nunca passam incólumes do olhar sensível do arquiteto, artista plástico e designer goiano Leo Romano e é este trabalho que ele mostra na noite desta quinta-feira (19) no Armazém da Decoração para o lançamento nacional de sua nova linha de móveis.

Espelho, banco, mesa, aparador, carrinho, poltrona, namoradeira e objetos celebram os 21 anos de carreira do profissional, sempre empenhado em buscar novas possibilidades. “A madeira, executada manualmente, confere exclusividade a cada produto enquanto o desenho é marcado por poucas linhas e formas arredondadas”, explica Leo. Na coleção de móveis Para Ser Feliz, ele reuniu as sensações de alegria, confiança e contentamento para originar um conjunto de 14 peças que mistura funcionalidade, design e poética.

Além da madeira, Leo também usou resina transparente e estofaria em algumas peças, que subjugam a função primordial do objeto e colocam como necessidade o prazer das coisas. Para ele, a estética é uma necessidade humana e um elemento de interesse constante, fazendo da forma o caminho para a reflexão. “Por isso, talvez, estivesse no meu subconsciente ou repertório visual elementos articuladores dos melhores momentos da vida”, conta. “Arredondar é lembrar-nos daquilo que nos faz feliz”, completa.

Cada curva da coleção cumpre o papel de transmitir alegria, trazendo “shapes” macios que comunicam sobre os prazeres simples do cotidiano, alimentando a alma. Parafraseando a frase do escritor, poeta crítico de arte Ferreira Gullar: “a arte existe, pois, a vida não basta.”

Première do Lançamento da Coleção Para Ser Feliz
Quando: 19 de outubro de 2017 – 20h
Onde: AZ Decor – Armazém da Decoraçã
Rua 90, nº 174, Setor Sul, Goiânia
Tel. (62) 3281-7432

 

Papo design na Semana de Design da PUC-Goiás

A PUC-Goiás recebe Maria Abadia Haich para um bate papo sobre design

A Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-Goiás) realiza a segunda edição da Semana de Design de 2017 durante as comemorações dos 58 anos da universidade.  O evento, que acontece entre os dias 17 e 20 de outubro, recebe Maria Abadia Haich para um bate papo sobre design.

A expectativa é que Maria Abadia brinde os estudantes com um pouco da história do Armazém da Decoração e como a empresária conseguiu transformar o comércio do móveis em uma experiência conceitual de arte e design.

“Abadia Haich é uma referência quando o assunto é design”, atestam os organizadores. “Ela revolucionou o marcado com iniciativas inéditas, como a Mostra Brasileira de Design. ‘Não vendo produto’ diz a mineira, ‘e sim conceito’. Este conceito, a proprietária do Armazém d Decoração imprime em cada canto da loja, com apresentação lúdica de móveis e itens de decoração. É com teatro, dança e instalações artísticas que ela vende cultura”, finalizam.

O bate papo é mais um momento desses que o Armazém da Decoração prestigia. Parte do conceito de que falam os organizadores do evento vem da troca constate de ideias. A conversa ocorrerá na universidade nesta quarta-feira (18) às 10h30.

O mictório que mudou a arte

“Ready made in Brasil” expõe obras de artistas influenciados pela técnica e pelo trabalho de francês Marcel Duchamp

‘Aquário’ – Waltercio Caldas

Um mictório no meio de um museu e a arte se transformou. Sim, estamos falando de Marcel Duchamp.  Pintor, escultor e poeta francês, Duchamp inseriu seu nome no mundo artístico ao inventar o ready made, técnica chamada de “arte encontrada” (objet trouvé, na língua materna de Marcel) em que o artista fazia uso de objetos industrializados como obra de arte – desprezando noções comuns à arte histórica, como ocorreu com seu famoso mictório.

Dadaísta, Duchamp questionava e contestava o status da arte e do artista. A Fonte foi uma forma (vanguardista) desta contestação. Em 1917 o artista resolver expor um mictório, assinado com o pseudônimo “R. Mutt”, na exposição da Associação de Artistas Independentes de Nova York. Cem anos depois, e sua obra de arte continua sendo usada de parâmetro para a discussão em torno do que é ou não arte.

Toda esta história, de Duchamp à analise do que venha a ser arte, influenciou centenas de profissionais ao longo das últimas décadas. Brasileiros entre eles. Este é o tema em exposição na Fiesp, na capital paulista. Daniel Rangel, curador da mostra “Ready Made in Brasil”, explica que apesar da obra icônica de Duchamp já ter cem anos, foi só a parir da década de 1950  que outros artistas se apropriaram da apropriação do escultor francês.

Os artistas brasileiros que passaram a utilizar de elementos industriais e prontos (os ready made´s) são o tema da mostra em cartaz no Centro Cultural da Fiesp na  Avenida Paulista até o dia 28 de janeiro. A curadoria da mostra escolheu nomes importantes da arte nacional para a exposição, como Hélio Oiticica, Lygia Clarck, Tunga e Nelson Leirner.

Serviço

Ready Made in Brasil

Onde: Centro Cultural da Fiesp
Av. Paulista, 1.313
Quando: de 10 de outubro a 28 de janeiro
segunda a domingo das 10h às 20h

‘Cem mona’ – Nelson Leirnier

‘Quadro a quadro’ – Nelson Leirnier

Imagens: Divulgação

Design é Meu Mundo / Linha Sedona

Linha Sedona da Tidelli móveis por Tatiana Mandelli

O ano de 2017 já está quase entrando em contagem regressiva e com a chegada próxima do verão chega também as novas coleções Tidelli. O post de hoje pausa para falar um pouco da linha Linha Sedona criada por Tatiana Mandelli.

Cordar náuticas e cores não poderiam faltar, mas o destaque da coleção de Tatiana é a trama em xadrez. O cruzamento das linhas foi a técnica responsável por dar um novo visual ao mobiliário externo. A nova trama xadrez permite a aplicação de até duas cores juntas.

A coleção é formada por sofá, cadeira, poltrona e mesa de centro – disponíveis em várias cores. O sofá e poltrona possuem formas arredondadas e orgânicas, que valorizam tecidos, almofadas e as tramas.