Vitorino Campos: moda e arquitetura em um mesmo traçado

Vitorino Campos se inspira na arquitetura para fazer moda

Zaha Hadid

Já imaginou fazer da arquitetura moda? Vitorino Campos já. O estilista não só imaginou, como colocou sua mente criativa em prática. Ele utiliza as linhas retas e curvas que dão origem a edifícios quase artísticos da arquitetura mundial e as transforma em peças de roupa. E ele não é o único, pois não é de hoje que moda e arquitetura cruzam seus caminhos.

Reinaldo Lourenço usou Portugal como inspiração para a coleção de inverno da São Paulo Fashion Week no ano passado. Bairros e edifícios serviram de inspiração para o estilista. A marca Maria Bonita usou os traços de Lina Bo Bardi como inspiração para uma coleção apresentada em 2010 também na cidade de São Paulo – berço afetivo da arquiteta italiana.

A arquitetura, no entanto, é uma influência quase que constante nos trabalhos de Vitorino Campos. O estilista está à frende da marca que leva seu nome e também da famosa Animale, esta que em 2016 dedicou toda uma colação a Tadao Ando. Tadao é um arquiteto japonês de vertente modernista, ganhador do Pritzker em 1995, que muito se utiliza do concreto e das linhas retas. “Fiquei encantado pelas linhas limpas e simples e o uso da luz natural como elemento arquitetônico”, explicou o estilista.

O estilista estuda a obra do arquiteto e traduz sob sua própria ótica. Zaha Hadid também recebeu homenagem em forma de roupa. “Fico abismado com a capacidade dela em transformar estruturas e materiais tão pesados em curvas tão leves. São obras contemporâneas repletas de personalidade”, declarou Vitorino.

“Uma estrutura metálica pode se tornar uma bolsa; uma porta, um bolso. Tudo depende do olhar que se tem”. E seu olhar não desperdiça nada. O estilista aproveita até os materiais utilizados por arquitetos e os transforma em artigos de moda, como pulseiras, brincos e bolsas. O estilista mostra que na arte, tudo se aproveita e na criatividade, tudo se mistura.

David Chipperfild

Tadao Ando

Tadao Ando

Zaha Hadid

Imagens: Divulgação

China cria primeira cidade sustentável do mundo

Marcado para 2020 a inauguração da primeira Cidade Jardim do mundo, no interior da China


Não é de hoje que a China tem investido em projetos de sustentabilidade, mas o anúncio do projeto mais recente ultrapassou qualquer outro no assunto em todo o mundo. É que o país iniciou a construção da primeira cidade floresta do mundo instalada em Liuzhou.

Serão mais de 40 mil árvores e um milhão de plantas de diversas espécies distintas. A ideia, saída da mente criativa do italiano Stefano Boeri, é cobrir de verde a fachada de todos os edifícios da cidade: hospitais, escolas, casas, hotéis, escritórios e comércio ficarão revestidos de plantas e árvores.

Se o nome do arquiteto parece familiar é porque o italiano foi responsável por um dos jardins verticais mais famosos do mundo, construído em Milão no ano de 2014. Foi após sua popularização que outras cidades do mundo passaram a receber edifícios com o projeto similar.

A cidade chinesa está sendo projetada para abrigar cerca de 30 mil habitantes em um terreno de 175 hectares. O verde que dá ao projeto urbano o título de cidade 100% sustentável será o responsável pela qualidade de vida de seus moradores, já que irá melhorar a qualidade do ar, diminuir a temperatura média do ambiente e criar barreiras naturais contra a poluição sonora.

O escritório de Stefano Boeri destaca que esta será a primeira vez no mundo que um complexo urbano combinará o desafio da auto suficiência energética e do uso de energia renovável com o de aumentar a biodiversidade e efetivamente reduzir a poluição do ar – a diversidade das plantas escolhidas possibilitará que novos habitats sejam criados para aves, insetos e pequenos animais. E se você acha que 30 mil é pouco, lembre-se que Goiânia foi projetada para habitar este mesmo número de pessoas.

 

Imagens: Divulgação

A elegância formal de Giuseppe Scapinelli

Italiano radicado no Brasil, Giuseppe Scapinelli se destacou como um dos principais nomes do modernismo mobiliário

Modernista de linhas sinuosas, o italiano Giuseppe Scapinelli escolheu o Brasil como segunda pátria e, ao lado de nomes como Sergio Rodrigues, Joaquim Tenreiro e Lina Bo Bardi, conquistou o título de mestre do design moveleiro nacional.

A importância de seu trabalho foi exposta por Sérgio de Campos no livro Giuseppe Scapinelli 1950: o Designer da Emoção. Sérgio vê o trabalho de Giuseppe como um modernismo afastado do racionalismo europeu. Para ele, o designer assumiu uma linha mais humanista da modernidade.

O que se vê do trabalho do italiano de raízes brasileiras é a atemporalidade. Suas peças são impactantes e, em alguns casos, até futuristas. Exemplo desse trabalho é a Poltrona GS. GS é filha das cadeiras de mesmo nome criadas na década de 1940 e atualmente reeditadas pela Etel Interiores.

A peça, assim como grande parte do trabalho de Giuseppe Scapinelli, foi lapidada na madeira. Scapinelli foi um multiartista, trabalhou como pintor escultor e moveleiro até sua morte, em 1982 em São Paulo.

150 anos de Frank Lloyd Wright

MoMA cria exposição inteiramente dedicada às obras de Frank Lloyd Wright para comemorar seus 150 anos

Unity Temple, em Illinois

O legado deixado por Frank Lloyd Wright não é pequeno. Não só em termos de quantidade, mas também de importância. O arquiteto é um dos grandes nomes do seguimento no mundo e conquistou esta posição em razão de um trabalho modernos feitos dentro da lógica da arquitetura orgânica.

O título de pai da arquitetura do século 20 fez com que o trabalho de Wright jamais passasse em branco, por isto, no mês que Frank Lloyd Wright completaria 150 anos, o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) criou uma exposição inteiramente dedicada às suas obras: Frank Lloyd Wright at 150: Unpacking the Archieve.

A exposição reúne arquivo elaborado pela Universidade de Columbia em 2012 com as principais obras do arquiteto, bem como seus trabalhos menos conhecidos. A mostra, em cartaz desde o dia 12 de junho, conta com aproximadamente 450 obras de todas as fases da carreira de Wright, incluindo desenhos de arquitetura, modelos, maquetes construtivas, filmes, aparições em programas de televisão, mídia impressa, mobiliário, tecidos, pinturas, fotografias e anotações.

Frank Lloyd Wright foi o pai da arquitetura orgânica, movimento que trabalha a arquitetura com organismos vivos. Para o arquiteto estadunidense, o vazio é o ponto culminante da arquitetura, já que é no vazio das paredes que vivemos. Na arquitetura orgânica, uma casa deve nascer para atender às necessidades das pessoas como se realmente fosse um organismo vivo.

O trabalho de Wright representa uma importante parte da história da arquitetura mundial, por isto dez de suas construções  receberam o status de Patrimônio Mundial da Unesco, ato que impõe a obrigação de preservação das obras.

Essenciais Decameron

Decameron uniu um time de designer de peso para criar a nova coleção 2017

O time de designers composto por Marcus Ferreira, Guilherme Wentz, a dupla Gabriela e Vinicius do Estudio Ninho e Juliana Llussá, se juntou mais uma vez na Decameron, agora, apresentando a coleção Essenciais.

“Encaro como uma das coleções mais elegantes e maduras que criamos”, explicou Marcus Ferreira. Os móveis seguem o rigor técnico que acompanha o trabalho de todos os designers envolvidos na coleção. “Todos os projetos seguiram critérios bem específicos de funcionalidade que vai totalmente ao encontro do que acredito e projetamos para a Decameron nos próximos anos”, completou o proprietário da marca.

A coleção foi batizada como “Essenciais” em razão do que quis expressar.  O objetivo da linha de móveis 2017 é estampar a essência da Decameron que está, a cada ano, mais madura. Ao mesmo tempo, são peças que contribuem para tornar espaços também essenciais à convivência e ao relaxamento de todos os usuários.

 

Casa Cor Goiás em movimento

Casa Cor Goiás chegou ao fim, mas as lentes da nossa câmera capturou os melhores espaços da mostra em 2017

Casa Cor fechou suas portas esta semana e vai já deixando saudades. Os melhores momentos da 21ª edição da mostra, no entanto, foram capturados pelas lentes do artista e fotógrafo Marcus Camargo. Fiquem então com os melhores ambientes, com o melhor do design, da Casa Cor Goiás 2017:

Casa do Boi

Em sua 21ª edição na mostra, Leo Romano assina o espaço que recebe a exposição de animais vivos


Após 20 anos de Casa Cor, Leo Romano ganhou em 2017 um presente: o projeto da casa de um animal que carrega sua marca. “Este ano eu não escolhi o ambiente, fui escolhido por ele”, brincou o arquiteto e designer. Eliane Martins e Sheila Podestá, organizadoras do evento em Goiânia, decidiram trazer para a casa este ano um animal vivo para exposição.  Lavrado e Mococa foram os selecionados para passar uma temporada na casa design e não tinha ninguém melhor que Leo para oferecer ao charmoso casal um abrigo à altura.

Além de traduzir uma importante parcela da economia do nosso estado, o boi também faz parte da história profissional de Leo. O arquiteto ousou ao usar um boi de fibra na Casa Cor Brasília no ano de 2004. Após essa mostra, incorporou a figura a sua marca.

A Casa do Boi faz parte do anexo da Casa Cor e, de longe, se vê apenas o pequeno curral feito para receber Lavrado e Mococa. “Fizemos um espaço no canto como um elemento surpresa”, disse Leo. Deu certo. Não há como não se surpreender com o ambiente de 450 m², que é um misto de elevação espiritual com requinte material. É que, para Leo, boi é um símbolo de força e riqueza.

O complexo criado pelo arquiteto gira entorno dos animais que ali se abrigam. Tudo se remete ao boi, ainda que o ambiente tenha sido dividido em quatro: capela, varanda, praça e curral. Para formação deste conceito, Leo relembrou uma infância vivida no meio rural e mesclou com a estética das capelas de fazenda.

Para que o curral garantisse a melhor estadia para os animais, foi instalado nas sombras de uma mangueira já existente no terreno. Uma praça separa o curral dos edifícios principais. Nela, um grande banco e uma mesa de confraria dá boas-vindas aos visitantes e anuncia de modo contemporâneo a atmosfera do espaço. Ao fundo se vê o que foi batizado por Closet do Boi. Ali, vários elementos usados diariamente no trato animal são expostos de maneira lúdica e cenográfica.

Da praça se ouve também o som celestial saindo de dentro da capela. Durante a mostra, a trilha sonora ficou ligada com uma música que compunha com o ambiente para criar um clima celeste.  Ao lado dos animais vivos em exposição, a capela dividiu o protagonismo do ambiente. Mobiliário, arte e design dialogam para recriam as capelas de fazenda em uma releitura de luxo, design e audácia.

A imaculada capela remontam discretamente os espaços ecumênicos e celebra a criação e a vida. O ambiente recebeu o melhor do design brasileiro, como as poltronas Chifruda, de Sérgio Rodrigues, a poltrona Latão, de Lina Bo Bardi, a poltrona Jangada, de Jean Gillon e a mesa Amorfa, de Arthur Casas. Obras de arte assinadas em parceria por Leo Romano e a artista plástica Iêda Jardim são o toque final nas paredes do espaço.

Fotos: Marcus Camargo

Entre e sinta-se bem

O Espaço Sinta-se Bem entra na Casa Cor Goiás em parceria com a Unimed Goiânia projetado por Juliana Menezes Carneiro e Roberta dos Santos Carneiro

Sinta-se bem não tem nome, sobrenome e nem definição. É um espaço conceitual por excelência. Os visitantes que buscam um título para o ambiente projetado pelas estreantes de Casa Cor Goiás Juliana Menezes Carneiro e Roberta dos Santos Carneiro se frustram, mas a decoração não deixa nada a desejar.

O Espaço Sinta-se Bem entra na Casa Cor Goiás em parceria com a Unimed Goiânia. Juliana e Roberta tiveram 12,50m² para projetar um espaço que remetesse a um ambiente de saúde e tranquilidade.

Você pode imaginar que a solução para um ambiente assim tão exíguo seriam espelhos. Não foram. A dupla quis criar um ambiente onde o foco está na alma e não no externo e por isso baniram qualquer espelho do espaço.

É que Sinta-se Bem traz como proposta apresentar ao público um ambiente ligado à saúde mental, ao descanso e ao bem estar. Aquele cantinho de relaxamento o qual todos desejamos ter em casa principalmente após um dia longo e produtivo dia de trabalho, não só para relaxar o corpo, mas principalmente a alma.

A origem do nome do ambiente veio do programa Sinta-se Bem Unimed que tem como pauta temas ligados à saúde e ao bem estar. A ideia do ambiente é trabalhar com dois materiais como foco principal: a madeira e o concreto, pois ambos podem ser trabalhados de forma leve remetendo à sensação de aconchego.  Tranquilidade não é o único destaque do ambiente, já que chamam a atenção também o banco SP do designer Pedro Petry e o Seat Garden da Tidelli móveis.

Fotos: Divulgação

Sem apelo comercial

Ninfa Canedo e Angélica Freitas assinam a Loja Conceito da Casa Cor, uma butique de muito charme e design

Design brasileiro foi o ponto de partida e chegada de um dos ambientes inaugurais da Casa Cor 2017. A Loja Conceito, espaço localizado na entrada da mostra, alia o design brasileiro à natureza: muito design assinado com uma seleção de materiais que remetem ao meio ambiente.

Esta foi a proposta adotada pela arquiteta e urbanista Ninfa Canedo e a designer Angélica Freitas. A dupla escolheu materiais tratados e rústicos, a exemplo da madeira natural, mármore e um jardim plantado em vasos. “A mistura do bom design com a natureza foram as apostas que fizemos para tirar do ambiente o apelo comercial comumente encontrado nestes espaços”, explicou Ninfa.

O desafio que Ninfa e Angélica enfrentaram era duplo: criar uma loja sem cara de loja e fazer tudo isto em poucos metros quadrados. O ambiente reservado para a Loja Conceito na mostra foi de apenas 18 m². É por isto que o ambiente se traduz em uma boutique de objetos de decoração pensada a partir de um estúdio. Resumindo: muito aconchego para apreciar a arte.

Além do binômio design e natureza, o ambiente trouxe peças de mobiliário assinadas, como o móvel bar de Paulo Alves, a poltrona Hold da Decameron Design e as mesas Sem Vergonha de Etel Carmona. O ambiente mescla arte e design nacionais e mobiliário que remete a uma atmosfera retrô. Um belo jardim de tuias plantadas em vasos complementa o espaço.

Fotos: Marcus Camargo

A lot of Genésio Maranhão

Genésio Maranhão brinda 35 anos de carreira com o ambiente A Loft Of Me na Casa Cor Goiás

Genésio Maranhão completa em 2017 mais de três décadas de carreira. São 35 anos de vida profissional que não poderiam passar em branco. E não passaram. Genésio, que já é veterano de mostra, aproveitou a 21ª edição da Casa Cor para falar um pouco de si e usou a decoração para escrever as linhas de sua vida. O ambiente projetado por ele é um registro de suas experiências vividas.

O Loft é o sonho de todo solteiro que quer uma vida reduzida. São 49 m² de estilo contemporâneo em que coube toda uma vida (além de um quarto, uma sala, um estar, uma cozinha e um banheiro).

A Loft For Me é, na verdade, a lot of Genésio Maranhão. O designer de interiores aperfeiçoou seus traços conceituais – muito usado em seus ambientes durante as participações na Casa Cor –, que agora misturam além de muito design, suas preferências pessoais. No mobiliário, reedições de peças modernas consagradas se misturam a antiguidades dos anos 50.

Perguntado sobre o tema da Casa Cor para 2017, “foco no essencial”, o designer riu: “parece que aqui não tem nada de essencial, já que fiz uma mistura cheia de tudo que gosto”, brincou. “Essencial é a alma, os sentimentos e a vivência. Acredito que consegui reunir tudo isto nestes 49m²”, concluiu Genésio.

Fotos: Marcus Camargo